LSRL 57: FORMAÇÃO DE SUBSTANTIVOS DEVERBAIS SUFIXADOS EM PORTUGUÊS

Product no.: ISBN 9783895866012
105.20
Price incl. VAT, plus delivery


FORMAÇÃO DE SUBSTANTIVOS DEVERBAIS SUFIXADOS EM PORTUGUÊS

Alexandra Soares Rodrigues
Instituto Politécnico de Bragança

O presente estudo visa descrever e explicar a formação lexical dos substantivos deverbais sufixados do português europeu. Sob uma perspectiva léxico-mental desenvolve-se um modelo genolexical designado por “RFPs em interfaces”. Com este modelo, mantém-se a importância da base derivacional, seguindo perspectivas orientadas para o input. Contudo, a base derivacional não é delimitada sintacticamente. Na nossa abordagem, cabe às estruturas semânticas da base a construção do novo lexema. A maior inovação do nosso modelo consiste na assunção de que a formação de palavras é simultaneamente orientada para o output, seguindo abordagens que reconhecem a identidade e a operacionalidade semânticas dos afixos. No nosso modelo, o mesmo afixo pode ser agregado a diferentes tipos de bases sem ter de ser multiplicado em afixos homónimos. Os produtos lexicais construídos a partir de diferentes bases partilham um determinado componente pelo qual é responsável a carga semântica do afixo. Simultaneamente, há diferenças entre os produtos de acordo com os componentes semânticos de cada tipo de base.

O modelo “RFPs em Interfaces” é concebido como um domínio dinâmico em que as regras de formação de palavras são entendidas como subdomínios dinâmicos onde todas as operações concernentes às diferentes estruturas linguísticas são combinadas para formar itens lexicais.

Estes postulados teóricos só poderiam ser alcançados através de uma alimentação contínua entre dados empíricos e problemas teóricos. Os dados empíricos provêm de 8414 substantivos sufixados deverbais e 8414 bases e dos 13708 semantismos desses produtos. A relação entre os produtos e as bases foi avaliada morfológica e semanticamente.

This study aims to describe and explain the lexical formation of Portuguese suffixed deverbal nouns. Under a lexical-mental perspective, we develop a genolexical model called “Word Formation Rules in Interfaces”. With this model we maintain the importance of the deriving base, following input-oriented perspectives. However, the deriving base is not syntactically delimited. Under our approach, it is the semantic structures of the base which play a role in the construction of the new word. The major innovation of our model consists of the assumption that word formation is simultaneously output-oriented, following approaches that recognise the semantic identity and the operationality of affixes. In our model, the same affix may be adjoined to different kinds of bases without having to be multiplied in homonymous affixes. The lexical products constructed from different bases share some semantic component which the semantic charge of the affix is responsible for. Simultaneously, there are differences between the products according to the semantic components of each kind of base.

The “WFRs in Interfaces” model is conceived as a lexical-mental dynamic domain where word formation rules are assumed to be dynamic subdomains where all the operations concerning different language structures are combined to form lexical items.

These theoretical postulates could only be achieved by an ongoing intercourse between empirical data and theoretical problems. The empirical data come from the analysis of 8414 suffixed deverbal nouns and their 8414 bases and 13708 meanings of those products. The relation between products and bases was evaluated using a morphological and a semantic analysis.

ISBN 9783895866012. LINCOM Studies in Romance Linguistics 57. 420 pp. + CD-ROM. 2008.

Browse this category: LINCOM Studies in Romance Linguistics (LSRL)